Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

segunda-feira, 9 de março de 2009

Devasso I



















Neste momento estou reconstituindo momentos da minha infância.
Década de 60 do século passado.
Meu apelido era "Discamba"
Eu destestava que me chamasse por este nome
Prá completar, como meu nome é Zé, às vezes me denominavam "Zé Discamba"
Fui batizado com este nome porque, quando ia tomar banho no riacho, eu descia a ladeira de forma desenfreada.
Sem qualquer freio.
Velox.
Morro abaixo
Onde: Área rural de Sambaíba - Rio Balsas
Um devasso no paraíso
Hum,...que delícia de infância
Meus irmãos, as brincadeiras, a fuga para o mato com medo de estranhos, como por exemplo uma expedição do pessoal da SUDENE - Superintendência para o Desenvolvimento do Nordeste.
Quando víamos da roça nós sentimos a presença daquelas pessoas estranhas carregando réguas, moringas, mochilas
Nós nós escondemos no mato e vimos todos eles passar, conversando muito
Instalaram-se à margens do riacho, sob uma frondosa gameleira
Ficaram vários dias ali
Atraídos por presentes que eles nos deram, começamos a chegar.
Meios desconfiados, de longe, nem tomamos banho no riacho, lavamos apenas os pés.
Enquanto isso os forasteiros conversaram entre si, como se estivesse, e estavam achando estranho nossa forma de tomar banho
Apenas os pés
E o medo?
Ficamos vários dias sem liberdade.
Quando eles foram embora fizemos a festa com o que eles deixaram
Refrigerantes
Sardinha enlatada
Uma comidas de cheiro horrível
No entanto comemos e gostamos
Até hoje me lembro da cena, todos nós no mato, atrás de um pé de angico, esperando aqueles seres estranhos
Se tivéssemos arco e flecha tínhamos matado todos eles

Nenhum comentário: