Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

sexta-feira, 29 de março de 2013

Spinleaks


                                                10_70

                                                  10

Relato de sonho

Momento 1: visão. O que vi?

Durante o sonho vi_ouvi a frase “eu não posso ter medo do que os outros vão pensar.” No sonho, eu estava num local de festa, muita gente entrando naquela espécie de grande salão paroquial para receber alguém, talvez o vigário da comunidade. Passaram umas 12 jovens, em fila. Como eu já as havia cumprimentado, não foi necessário um novo cumprimento. Vi o rosto de cada um delas. A última da fila, que vestia um vestido azul, chegou e começamos a conversar.

Eu: oi

Ela: você vai viajar?

Eu (surpreso, pois nem eu mesmo sabia  que ia viajar): como você sabe que eu vou viajar?

Ela: eu li no seu e-mail que você me enviou

--------            


Ainda sonhando, veio o seguinte à minha cabeça: há  quem saiba mais de mim mesmo do que eu próprio. Fazer o que? Daí a frase “eu não posso ter medo do que os outros vão pensar” apreendida_ aprendida naquele sonho. Devido a este emaranhado de comunicadores, este serviço de e-mail, tenho que ter a certeza disso: sabem mais de mim do que eu mesmo. A saída é esta: não ter medo do que os outros vão pensar.

----------        


Momento 2: forma. 

A este respeito, assista ao documentário “Arne Sucksdorff”, sobre a vida de um suíço que viveu na década de 60 no Pantanal Matogrossense.  Como é possível  que o Brasil tenha ignorado Arne Suckdorff? Incrível a história dele, o que ele fez no pantanal, o quanto amou os bichos (ele vivia agarrado a uma ariranha e beijava os animais dos mais ferozes, parece-me que a bicharada o conhecia e o tinha como um aliado. O documentário é incrível. Como uma figura desta pode ser ignorada. Ele desenvolveu sua obra durante os 30 anos em que viveu no pantanal. Tive a impressão de que nós brasileiros nos ignoramos, incrível como não nos vemos, sendo necessário um estrangeiro chegar e dizer: veja só o quanto você é formidável.  Ele viu tudo aquilo que não vemos: nós mesmos. Não nos vemos nem como indivíduos nem como nação.

            
------- 


Momento 3: conhecimento



                                                                                ARNE SUCKDORFF



                                                        “a gente deve deixar o artista fazer o que ele quer”



                            ( Frase extraída do documentário “Arne Sucksdorff.” premiado no VI FICA, Festival Internacional de Cinema Ambiental, na cidade de Goiás – Rio Vermelho. 2004 )

Nenhum comentário: